• Português do Brasil
  • English
  • Español
  • العربية

Empresas participantes do Projeto Sweet Brasil conquistam 5% de crescimento

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

30/06/2015

Apesar do cenário econômico de retração, as empresas que participam do Sweet Brasil, projeto setorial de promoção de exportação desenvolvido em parceria entre a Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – e a ABICAB, conquistaram um excelente resultado no acumulado de janeiro a maio de 2015. Entre elas, houve crescimento de 5% em valor exportado, em contraponto à queda do restante do setor, tanto em valor quanto em volume. A comercialização com os Estados Unidos, Argélia, Uruguai e México e a categoria bombom foram os principais responsáveis pelo crescimento. “Ficamos contentes por saber que o Projeto Sweet Brasil está cumprindo muito bem a sua missão de incrementar os negócios no mercado externo”, destaca o VP de Exportação, Romualdo Silva.

O Projeto tem como foco proporcionar o encontro de oportunidades comerciais no setor, incentivar e preparar a indústria instalada no Brasil para a exportação, fortalecendo o processo de internacionalização.

Nesse ano, o Sweet Brasil já promoveu cinco grandes eventos – entre eles as feiras ISM, Gulfood e Sweet&Snacks Chicago –, publicou mais de cem materiais no seu portal, incluindo estudos e serviços de consultoria, e tem à disposição, em sua plataforma online, 40 outras ações como visitas empresariais no exterior e palestras com especialistas. “Temos uma estratégia agressiva e consistente para apoiar as empresas no seu processo de internacionalização. Nosso foco é encorajá-las a ter diferenciais competitivos para ter sucesso globalmente e para isto, temos um arsenal de ferramentas disponíveis”, resume gestor de Exportação da ABICAB, Rodrigo Solano.

Os resultados do Sweet Brasil foram apresentados no dia 19 de junho, durante a reunião do Comitê Gestor de Exportação da ABICAB, em São Paulo (SP). Durante o encontro também foi proposto que Peru e Singapura sejam foco de prospecção do projeto além de outros 6 mercados. “São dois mercados estratégicos, maduros e que podem oferecer boas oportunidades para as empresas interessadas em exportar”, finaliza Romualdo.

Participaram da reunião representantes das empresas Docile, Garoto, Harald, Riclan, Santa Helena, Nugali, Pecin, Montevérgine, além de Camila Meyer, da Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos.

Atualmente, o mercado mundial de confectionery é de, aproximadamente, US$ 180 bilhões e tem apresentado crescimento nos últimos anos. O Projeto Sweet Brasil tem desenvolvido ferramentas para acesso a este mercado.