• Português do Brasil
  • English
  • Español
  • العربية

EXPECTATIVA DE AUMENTO DE EXPORTAÇÕES DE AMENDOIM DO BRASIL

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Expansão de safra permite que setor assegure atendimento de demanda crescente no país e nos seus principais mercados no exterior

 

Ao final de uma colheita considerada muito boa, o setor de amendoim do Brasil prevê aumento de oferta no mercado interno e das exportações em 2020, garantindo abastecimento. O bom desempenho é resultado de crescimento da área plantada, que superou 200 mil hectares, e de produtividade, com estimativa de colheita de 700 mil toneladas de amendoim com casca no país, segundo dados do Instituto Agronômico (IAC), do governo do Estado de São Paulo.

 

“Neste ano, temos uma safra elevada e um produto de alta qualidade, dois fatores importantes neste momento em que, com a pandemia de Covid-19, existe uma preocupação em garantir abastecimento de alimentos, especialmente daqueles mais saudáveis”, diz Ubiracy Fonsêca, presidente da ABICAB (Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas), entidade que promove programas de apoio às indústrias do setor em parceria com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos).

 

O presidente da ABICAB destaca que o amendoim é uma fonte barata de proteína, tem alto teor de vitaminas e sais minerais, possui componentes antioxidantes, além de nutrientes que diminuem o colesterol ruim, fatores que, combinados, fazem dele um alimento importante na dieta neste período de dificuldades na economia e perda de renda provocadas pela pandemia.

 

Mercados atendidos

 

Vem aumentando consumo de amendoim no Brasil, especialmente entre um número crescente de pessoas que se preocupam com a saúde, em seguir uma alimentação saudável e em manter a forma física, segundo Ignácio Godoy, pesquisador do IAC. “Mesmo com esse crescimento da demanda interna, 60% do amendoim de maior qualidade do país destina-se à exportação”, diz Godoy.

 

O amendoim brasileiro tem alto teor oleico, o que lhe garante uma shelf life mais longa, e o produto também passa por um rígido sistema de fiscalização sanitária, criado pela indústria, explica o professor. O aumento da safra e a qualidade do produto brasileiro devem contribuir para aumento significativo das exportações, especialmente para União Europeia e Rússia, os dois principais mercados para o amendoim produzido no país.

 

“Nossas projeções indicam um crescimento de 20% das exportações brasileiras de amendoim este ano, chegando a 250 mil toneladas de grãos vendidos ao exterior”, prevê Rodrigo Francfort, diretor comercial da Francfort, uma trade de alimentos que detém cerca de 15% do total de exportações de amendoim do Brasil.

 

Outro fator importante é que a infraestrutura de escoamento do amendoim para exportação e para abastecimento de fábricas de chocolates e snacks no Brasil não foi afetada pelas políticas de contenção e combate à pandemia, segundo as indústrias. Isso vem contribuindo também para que as empresas brasileiras garantam o atendimento de seus contratos de exportação de amendoim, mesmo com aumento da demanda.

 

“As fábricas de alimentos de forma geral, inclusive de chocolates e snacks, não pararam, ao contrário, muitas estão aumentando a produção para garantir abastecimento, especialmente depois que foram registradas corridas a supermercados em alguns países. Por isso, há casos em que tivemos de antecipar embarques de contratos fechados no final do ano passado”, destaca Robson Fonseca, foreign trade manager da cooperativa agrícola Coplana.

 

 

SOBRE A  ABICAB – A Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas – ABICAB foi fundada em 1957 e representa os principais fabricantes do país junto às esferas pública e privada, no Brasil. A indústria brasileira nestes setores fatura cerca de R$ 26,4 bilhões e gera mais de 42 mil empregos diretos. A entidade, que representa atualmente 92% do mercado de chocolates, 93% do mercado de balas e confeitos e 62% do mercado de amendoim, tem como objetivo central desenvolver, proteger e promover as indústrias associadas, estimulando ações para o fomento dos mercados interno e externo nestes setores, bem como o consumo responsável dos produtos.

SOBRE A APEX-BRASIL – A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) atua para promover os produtos e serviços brasileiros no exterior e atrair investimentos estrangeiros para setores estratégicos da economia brasileira. Para alcançar os objetivos, a Apex-Brasil realiza ações diversificadas de promoção comercial que visam promover as exportações e valorizar os produtos e serviços brasileiros no exterior, como missões prospectivas e comerciais, rodadas de negócios, apoio à participação de empresas brasileiras em grandes feiras internacionais, visitas de compradores estrangeiros e formadores de opinião para conhecer a estrutura produtiva brasileira entre outras plataformas de negócios que também têm por objetivo fortalecer a marca Brasil.