• Português do Brasil
  • English
  • Español
  • العربية

Novas Empresas Aderem ao Projeto Sweet Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Novos e importantes players do setor de confectionery aderiram recentemente ao Sweet Brasil, projeto setorial de promoção de exportação desenvolvido em parceria entre a ABICAB e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Q Chocolate, Banana Brasil, Ouro Moreno, Irlofil, Saggio do Brasil e Balas Santa Rita se juntaram ao Projeto nos últimos quatro meses, fortalecendo ainda mais o portifólio de produtos brasileiros que serão apresentados no mercado externo.

Estamos em um cenário bastante desafiador, com custos muito elevados em toda a cadeia produtiva. O Sweet Brasil contribuirá para atingirmos o target correto e fortalecerá nosso desempenho no mercado global. A exportação, se bem direcionada, é uma oportunidade de aumentarmos em duplo dígito nossas vendas e market share”, observa Paulymar Rezende, gerente geral da Balas Santa Rita. Caramelo de leite, pirulito e balas duras são as categorias que a empresa já exporta e, agora, serão trabalhadas com o apoio do Projeto.

Para a Irlofil, a expectativa com o Sweet Brasil também é grande. “Sabemos que teremos ótimos subsídios e toda a inteligência comercial à disposição para desenvolver as exportações com sucesso. O Projeto oferece o conhecimento e a experiência que precisamos, o que nos dá segurança para atuar no varejo internacional”, comenta Luiz Antonio Lorenzetti, sócio diretor da empresa, que exportará doces e confeitos de amendoim.

“Participar do Sweet Brasil significa ter acesso a estudos de inteligência, capacitação, melhoria nas embalagens, ter seus produtos expostos no portal internacional, poder participar de rodada de negócios no Brasil e em feiras internacionais de maneira organizada e com apoio financeiro. Todas essas ações fazem com que as empresas apoiadas apresentem resultados superiores em relação às não participantes”, resume Michele Candeloro, de Supervisão de Máquinas, Equipamentos e Agronegócios da Apex-Brasil.